Líder do Siemaco de Americana empenhado em alterar MP da reforma trabalhista

BRASÍLIA/ DF – O propósito de influir na apresentação de emendas que modifiquem a Medida Provisória nº 808, editada pelo Palácio do Planalto, com o fim de rever itens polêmicos da reforma trabalhista (Lei 13.467, de 2017), em vigor desde 11 de novembro, mobilização lideranças políticas e sindicais de todo o país.
As emendas procuram ajustar os 17 pontos da MP, que tratam de temas relacionados aos trabalhos intermitente e autônomo, representação em local de trabalho, as condições de trabalho para grávidas e lactantes, e jornada de 12 horas trabalhadas por 36 horas de descanso.

Em nome da União Geral dos Trabalhadores (UGT), o deputado federal Roberto de Lucena (PV/SP), que é vice-presidente da Central, apresentou dez emendas propondo mudanças em temas pontuais, especialmente na questão do trabalho intermitente, modelo de contrato até então inexistente.
Mas a UGT também contou com o protagonismo dos dirigentes nacionais, que atuaram nos gabinetes no Congresso, expondo posicionamentos e buscando convencer parlamentares sobre a importância das alterações.

PROTAGONISMO DO SIEMACO DE AMERICANA

Amauri Silva Alves, presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação e Trabalhadores da Limpeza Urbana e Áreas Verdes de Americana (Siemaco) na movimentação das lideranças na capital federal. O sindicalista teve como ponto de apoio o Instituto de Altos Estudos da UGT/escritório Nacional da UGT em Brasília, local em que encontrou Miguel Salaberry Filho, secretário nacional de Relações Institucionais da Central.
O sindicalista levou a deputados e senadores a preocupação da categoria com as consequências da reforma trabalhista, que enfraquece o sistema de proteção aos trabalhadores, a organização sindical e a própria Justiça do Trabalho.

A Medida Provisória recebeu 967 emendas até a meia-noite do dia 21 de novembro, prazo final para a apresentação. O conteúdo da MP deverá tramitar em comissão especial, que ainda não foi composta. As emendas serão analisadas pelo relator, que ainda não foi definido.

Renato Ilha, jornalista (MTb 10.300)