O ato em defesa da Constituição, reuni centrais sindicais, partidos políticos e estudantes

O ato em defesa da Constituição, na quinta-feira(31/10), no Plenário Dante Barone da Assembleia Legislativa, foi marcado por manifestações em favor dos direitos assegurados na Carta Magna e repúdio à declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em menção ao Ato Institucional nº 5, no governo militar contra a liberdade de expressão no país.

O Presidente da União Geral dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul – UGT/RS, Norton Jubelli, falou em nome das centrais sindicais – CUT,CTB,FORÇA SINDICAL, NCST, CSB e CONLUTAS.

“A Constituição cidadã ampliou liberdades, direitos sociais e garantias individuais. Repudiamos a declaração do deputado filho do presidente, justamente no dia de celebrar a valorização do trabalho, o direito à Previdência social, ao SUS e à educação pública no Brasil”, pontuou o senador Paulo Paim (PT).

A atividade reuniu representantes de sindicatos, partidos políticos, associações de estudantes e entidades da sociedade civil organizada. Na abertura, o telão exibiu vídeo com trecho do discurso do presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Ulysses Guimarães, no ato de promulgação da Constituição: “Discordar, sim. Descumprir, jamais. O traidor da Constituição é o traidor da Pátria”.

O ato homenageou parlamentares constituintes. Estiveram presentes José Fogaça (MDB), Olívio Dutra (PT) e Victor Faccione (PDS), além do senador Paim. Os convidados assistiram às palestras de Maria Lúcia Fatorelli, que falou sobre impropriedades nos processos da dívida pública, e do economista Eduardo Moreira, que criticou a motivação fiscal das reformas que atingem a partilha da riqueza no país.

Fonte: IMPRENSA UGT/RS